Como em tanta coisa, o sexo casual será bom para uns e nefasto para outros.

Sexo

Sexo casual: dá prazer ou faz sofrer?

Como em tanta coisa, o sexo casual será bom para uns e nefasto para outros.

Os sites de encontros nascem como cogumelos, as fotos sem roupa pululam pelas redes sociais e muito se perora, negativamente, sobre esta cultura de engate que parecemos viver. Na era do Tinder e outros tantos, ainda parece ser tabu o sexo consentido entre duas pessoas que não pretendem uma relação.

E há até quem diga que o sexo casual, parente pobre da sexualidade humana, não é tão inofensivo e livre quanto o seu cariz moderno quer fazer parecer. Será?

Como em tudo neste domínio, a doutrina não se entende. Um estudo de 2009 questionava se as relações de “friends with benefits” ou “amigos coloridos” seriam emocionalmente nefastas.

Depois de 1310 entrevistas a jovens adultos americanos, com uma média de idades de 20 anos, concluiu-se que não, que quem optava por sexo casual corria os mesmos riscos do que quem tem sexo apenas num contexto de relação.

Mas como o homem sonha, o mundo pula e a sexualidade avança, em 2014, outro estudo publicado no ‘Journal of Sex Research’, feito a estudantes heterossexuais entre os 18 e 20 anos, concluiu que o sexo casual era negativamente associado a bem estar psicológico, e positivamente associado a alterações emocionais. Daí se concluiu que o sexo sem escora relacional aumenta o risco de danos psicológicos.

Um ano mais tarde, em 2015, outro estudo decidiu isolar fatores como forma de perceber o que de concreto é passível de deixar marcas nos corações e cabeças de quem escolhe sexo casual. E o facto isolado foi o a “autonomia” ou a falta dela. Assim, por razões ligadas à “autonomia” entenda-se a atração que se sente pela outra pessoa; a vontade de explorar a sua sexualidade; uma forma de aprendizagem.

Por “não autonomia”, entenda-se a pessoa estar ébria ou sem consciência dos seus atos; esperar mais da relação que é puramente sexual; ter sexo com alguém por vingança contra outrem.

O estudo concluiu que, independentemente do género, os sujeitos que tiveram sexo casual por razões autónomas não são afectados pela falta de ligação ao outro, e os sujeitos que o fizeram por razões não autónomas tipicamente sentem um decréscimo no seu bem estar psicológico.

É também a isto que se refere a autora Zhana Vrangalova, responsável pelo Casual Sex Project, cujo trabalho se centra na ciência por detrás do sexo casual, incluindo os seus potenciais riscos e benefícios. Segundo ela, o sexo casual afeta diferentes pessoas de diferentes formas, o significa que ele não é intrinsecamente bom ou mau.

O que somos, como o fazemos e porque o fazemos são fatores críticos para compreender os efeitos do sexo desgarrado.

Enquanto sociedade, temos ainda muita dificuldade em aceitar que o sexo possa ser vivido prazerosamente fora do desenho das relações. A nossa noção de amor romântico, que acasala para a vida, está cada vez mais longe dos desejos e pulsões que naturalmente sentimos e que o mundo nos incita, cada vez mais, a sentir e agir sobre.

Não é, por isso, de estranhar, o surgimento de novas formas de relação e de família.

Parece difícil conceber que alguém queira sexo casual como modo de vida, como se todos tivéssemos de procurar o mesmo e nos satisfazermos de igual modo. Olhamos para o sexo casual como o bilhete de ida para o inferno das relações mas todos nós, em relações longas, o desejámos com a força de mil purgatórios.

Mas a prova que o sexo casual funciona – no sentido que quem o pratica dele retira prazer – é o modo como ele entrou no nosso léxico e entendimento da sexualidade. Quem não sabe o que é um ‘one night stand’, amigo colorido, ‘fuck buddy’ , ‘booty call’, ‘sex with an ex’, um engate? Todos sabemos.

E, convenhamos, todos (ou quase, vá) o fizemos ou, pelo menos, o desejámos. Sendo assim, por que razão continua a ser visto como uma má versão do sexo, como uma forma menor de algo que parece, indevidamente, sacralizar-se?

Porque tendemos a olhar mais para forma do que para o conteúdo. Ou o sexo com um estranho (ou um amigo) passa a ser uma força do mal que serve para nos culpabilizar e destruir, mas dentro de uma relação é só flores e coisas boas?

Como em tanta coisa, o sexo casual será bom para uns e nefasto para outros. Se a bússola moral, integridade e noção de respeito por si próprio não chocar com os corpos que se encontram na cama, a casualidade do sexo não perturba. Mas se a matriz religiosa, social, emocional, educacional se perturbar com o desconhecimento do sujeito sexual, então o sexo casual é passível de dano.

(Source: Silvia Baptista)

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 The Mag Theme. Theme by MVP Themes, powered by Wordpress.

To Top